ESTRUTURA FINANCIADA POR

logo_rodape_dgartes_branco.png

COMPANHIA RESIDENTE

logo_rodape_teatro_viriato_branco.png

PARCEIRO

CONTACTOS

Teatro Viriato 

Largo Mouzinho de Albuquerque 
3500-160 VISEU, PORTUGAL


T. 232 480 110 

M. geral@pauloribeiro.com

SIGA-NOS

  • mail_send_branco_new
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • Vimeo - White Circle
antena2.png

WALKING WITH KYLIÁN.

NEVER STOP SEARCHING

2017

Duração 60 min. 

Público-alvo m/ 6 anos 

Coreografia Paulo Ribeiro 

Assistência ao coreógrafo Ana Jezabel 

Interpretação Ana Jezabel, André Cabral, 

Miguel Oliveira, Miguel Santos e Teresa Alves da Silva

Desenho de luz Nuno Meira

Música Al este del eden – 5to andamento de Pocket Paradise 

e Luna Nueva - Jesús Rueda; A midsummer night’s dance - David del Puerto; Just a Bit, Fragment, Hasta Siempre Comandante - Robert Wyatt; 

Flip - Benjamin de La Fuente; Tryst, I (A meditation on Iona),  

Adam’s Rib – James MacMillan, Scottish Chamber Orchestra 

e Joseph Swensen; Cello Suite #5 In C Minor, BWV 1011

- Prélude (Bach) - Pablo Casals e Cristaux Rêvants III - Riccardo Nova

Apoio Opart/Companhia Nacional de Bailado

Produção Companhia Paulo Ribeiro

Coprodução CENTRO CULTURAL VILA FLOR, TEATRO NACIONAL SÃO JOÃO, TEATRO VIRIATO, SÃO LUIZ TEATRO MUNICIPAL

A Companhia Paulo Ribeiro 

é uma estrutura financiada pela DGARTES 

Companhia Residente no Teatro Viriato

Nota de intenções

Porque é que se dança? Porque é que se insiste em dançar e em coreografar? Porque é que se acredita que esta arte pode ser maior? 

 

Porque é que a sobrenaturalidade humana se revela com a dança? Porque é que há coreógrafos que nos expõem essa revelação com uma evidência vital? 

 

Porque é que a dança precisa cada vez mais de palavras? Porque é que a dança ressurge hoje com uma força avassaladora e se reinventou sem fronteiras? Porque é que os limites do corpo são o não ter limites? Quanto mais etéreo mais ligado ao chão! Quanto mais espiritual mais carnal!

 

Há coreógrafos que sempre viveram na franja do tempo, que sempre respiraram o presente e exalaram intemporalidade. Em França, quando nos referimos a alguém que muito admiramos, dizemos que é “Dieu sur la terre” (Deus na Terra). E, de facto, considero que há artistas, neste caso, coreógrafos que transportam ou têm mão divina. Coreógrafos que são referências maiores para mim e com quem quero comunicar, partilhar, passear intensamente. 

 

O primeiro passeio... Vou fazê-lo com Jiří Kylián, que me acompanhou durante um período largo da minha carreira. Conheço-o artisticamente e um pouco pessoalmente. Temos linguagens completamente distintas, mas é esta diferença que me interessa. Quero aproximar-me da pessoa por detrás da obra. Quero olhar para a obra e sentir os pontos de ligação com a sua ideia original. Quero sentir as felicidades e frustrações de quem, para mim, não falha quando cria. Quero perceber a eficácia da linguagem e do pensamento. Deste passeio que, certamente, se multiplicará em vários, vai nascer uma coreografia, resultado do meu olhar sobre a sua forma de estar na dança. Creio que será uma dança de compromisso libertador, uma dança muito mais universal, uma dança muito diferente de todas as outras que já fiz.

 

Uma coreografia para cinco intérpretes e a mão de Deus...

 

Paulo Ribeiro [nov 2017]

carreira do espetáculo

2017

ESTREIA: 17 e 18 de novembro // Teatro Viriato, Viseu, Portugal 

25 de novembro // Centro Cultural Vila Flor, Guimarães, Portugal 

 

2018

02 de fevereiro // Le Théâtre du Merlan, 

Scène Nationale de Marseille, França

16 e 17 de fevereiro // São Luiz Teatro Municipal, Lisboa, Portugal 

04 de abril // Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra, Portugal 

14, 15 e 16 de junho // Teatro Nacional São João, Porto, Portugal 

08 de setembro // Teatro Municipal de Bragança, Portugal 

15 de setembro // TEATRO MUNICIPAL DE VILA REAL, Portugal  

04 de novembro // Teatro Garcia de Resende, Évora, Portugal 

2019

30 de março // Teatro Aveirense, Aveiro, Portugal 

revista de imprensa