top of page
02_paulo_ribeiro©carlos_fernandes2016.jp

PAULO RIBEIRO

Natural de Lisboa, Paulo Ribeiro iniciou os seus estudos em dança em Bruxelas e começou o seu percurso como bailarino em diversas companhias belgas e francesas. Mas foi enquanto coreógrafo que acabou por desenvolver o seu percurso, estreando-se em 1984, em Paris, no âmbito da companhia Stridanse, da qual foi cofundador. Quatro anos depois, já em Portugal, começou a sua colaboração com a Companhia de Dança de Lisboa e com o Ballet Gulbenkian. A partir de 1991, o seu trabalho coreográfico expandiu-se no plano internacional, com a criação de obras para companhias de renome internacional como Nederlands Dans Theater; Grand Théâtre de Genève; Centre Chorégraphique de Nevers e Ballet de Lorraine.

Com a criação da Companhia Paulo Ribeiro, em 1995, o coreógrafo encontrou o espaço para afirmar a sua própria linguagem e trabalho de autor.

Foi Comissário do ciclo “Dancem”, em 1996 e 1997, no Teatro Nacional São João e, em 1998, assumiu a Direcção-Geral e de Programação do Teatro Viriato, em Viseu. Foi Comissário para a Dança em Coimbra 2003 – Capital Nacional da Cultura. No mesmo ano, recebeu o convite para dirigir o Ballet Gulbenkian, um trabalho pelo qual seria premiado. Em 2006, após a extinção do Ballet Gulbenkian, regressou ao Teatro Viriato, para retomar a direcção. Em 2014, foi homenageado pela Câmara Municipal de Viseu com a Medalha Municipal de Mérito, pelo seu contributo de reconhecida importância para o concelho de Viseu. Manteve-se no cargo até 2016, data em que saiu para assumir a direcção artística da Companhia Nacional de Bailado, a convite do Ministério da Cultura. Em 2019, lançou o projecto Casa da Dança, em Almada. 

Em paralelo, participou como coreógrafo para diversas produções, nomeadamente no cinema, para o filme La Valse, de João Botelho. A par do trabalho de criação, Paulo Ribeiro tem-se dedicado à formação, orientando vários workshops em Portugal e em países por onde a companhia tem passado. Lecciona a disciplina de Composição Coreográfica, no âmbito do mestrado de Criação Coreográfica Contemporânea, promovido pela Escola Superior de Dança, e deu aulas no Conservatório Nacional de Dança.

Em 2022, regressou à direcção artística da sua companhia e, em 2023, inicia um novo capítulo em Cascais, onde a companhia passa a estar sediada, para dar continuidade ao trabalho de pesquisa, de criação, de produção, de difusão e de formação em dança contemporânea.

Paulo Ribeiro assina uma obra plural com mais de 40 criações que tem sido distinguida com diversos prémios nacionais e internacionais de relevo, como o Prémio Acarte/Maria Madalena de Azeredo Perdigão, atribuído em conjunto com Clara Andermatt; o Prix d’Auteur nos V Rencontres Chorégraphiques Internationales de Seine-Saint-Denis (França); o New Coreography Award pelo Bonnie Bird Fund-Laban Centre (Reino Unido); o Prix d’Interpretation Collective pela ADA- MI (França); o Prémio do Público no Dance Week Festival (Croácia); o Prémio Bordalo da Casa da Imprensa; e o Prémio para Melhor Coreografia pela Sociedade Portuguesa de Autores.

Outras Criações

Le Chef D’Orchestre | 2019 | coreografia de PAULO RIBEIRO | Companhia Nacional de Bailado

 

Lídia | 2014 | coreografia de PAULO RIBEIRO | Companhia Nacional de Bailado 

 

La Valse | 2012 | curta metragem de JOÃO BOTELHO com coreografia de PAULO RIBEIRO | Companhia Nacional de Bailado 

 

Du Don de Soi | 2011 | coreografia de PAULO RIBEIRO | Companhia Nacional de Bailado

Uma Coisa em Forma de Assim  | 2011 | coreografia de PAULO RIBEIRO | Companhia Nacional de Bailado

 

Desafinado | 2011 | coreografia de PAULO RIBEIRO | Grupo Dançando com a Diferença 

 

Organic Beat | 2005/2008 | coreografia de PAULO RIBEIRO | Ballet de Lorraine, Nancy (França) a partir do original para o Ballet Gulbenkian

White Feeling | 2003/2006 | coreografia de PAULO RIBEIRO | Ballet de Lorraine, Nancy (França) a partir do original para o Ballet Gulbenkian 

 

Fados | 1994| de RICARDO PAIS com coreografia de Paulo Ribeiro | Lisboa Capital Europeia da Cultura 94

 

Dançar Cabo Verde | 1994 | coreografia de Paulo Ribeiro com Clara Andermatt

 

Rambo Ribeiro | 1993 | coreografia e interpretação de Paulo Ribeiro 

 

Inquilinos | 1993 | coreografia de Paulo Ribeiro | Ballet Gulbenkian

 

Waiting for Voluptia | 1993 | coreografia de Paulo Ribeiro | Nederlands Dans Theater II

 

Le Cygne Renversé | 1992 | coreografia de Paulo Ribeiro | Centre Choréographique National de Nevers Bourgogne (França)

 

Uma História da Paixão | 1992| coreografia de Paulo Ribeiro | Ballet du Grand Théâtre de Genebra

 

Uma Ilha num Copo de Sumo | 1992 | coregrafia de Paulo Ribeiro | Expo’92 – Sevilha (projeto pedagógico com crianças que representou Portugal)

 

Encantados de Servi-lo | 1992 | coreografia de Paulo Ribeiro | Ballet Gulbenkian a partir da adaptação da peça do Nederlands Dans Theater II

 

Encantados de Servi-lo | 1991 | coreografia de Paulo Ribeiro | Nederlands Dans Theater II

 

Modo de Utilização | 1990 | coreografia e interpretação de Paulo Ribeiro | Bienal de Coimbra, apresentado ainda na Europália 91

 

O Beijo da Técnica no Futuro | 1990 | coreografia de Paulo Ribeiro | CAMJAP (projeto pedagógico com crianças) 

 

Percursos Oscilantes | 1990 | coreografia de Paulo Ribeiro | Ballet Gulbenkian

 

Ad Vitam | 1990 | coreografia de Paulo Ribeiro | Ballet Gulbenkian

 

Sonho de uma Noite de Verão | 1989 | coreografia de Paulo Ribeiro | Companhia de Charles Cré-Ange

 

O Derradeiro Beijo | 1989 | coreografia de Paulo Ribeiro | Companhia de Dança de Lisboa

 

Taquicárdia | 1989 | coreografia de Paulo Ribeiro | Companhia de Dança de Lisboa

 

Drama per la Danza | 1987 | com a Four Solaire, de Anne-Marie Reynaud

 

Facéties | 1984 | coreografia de Paulo Ribeiro | Companhia Stridanse

Meu Caro Amigo | 1984 | coreografia de Paulo Ribeiro | Companhia Stridanse

 

bottom of page