ESTRUTURA FINANCIADA POR

logo_rodape_dgartes_branco.png

COMPANHIA RESIDENTE

logo_rodape_teatro_viriato_branco.png

PARCEIRO

CONTACTOS

Teatro Viriato 

Largo Mouzinho de Albuquerque 
3500-160 VISEU, PORTUGAL


T. 232 480 110 

M. geral@pauloribeiro.com

SIGA-NOS

  • mail_send_branco_new
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • Vimeo - White Circle
antena2.png

CECI N'EST PAS UN FILM 

DUETO PARA MAÇÃ E OVO

2016

Duração 60 min. 

Público-alvo m/ 6 anos 

Autoria, coreografia e espaço cénico Paulo Ribeiro

colaboração e seleção de filmes Cine Clube De Viseu

interpretação Ana Jezabel e João Cardoso

música

THE BOYS FROM BRAZIL Segredo Suba 

BALANESCU QUARTET Unging Upsidedown 

JOÃO PARAHYBA Nightly Sins (tribute) 

BARBARA Ne Me Quitte Pas  

NINA SIMONE Ne Me Quitte Pas e Go Limp

JACQUES BREL Ne Me Quitte Pas e La Valse a Mille Temps

SIMONE DE OLIVEIRA Não Me Vais Deixar (Ne Me Quitte Pas)  

BALANESCU QUARTET Autobahn

AKRAM MAG Ne Me Quitte Pas  

FRANK ZAPPA The Nancy & Mary Music

SERGE GAINSBOURG Je suis venu te dire que je m’en vais

figurinos José António Tenente

desenho de luz Cristóvão Cunha

assistente de produção e técnica Tomás Pereira

produção Companhia Paulo Ribeiro

projeto apoiado no âmbito do programa Viseu Terceiro 

Nota de intenções

Não ilustramos um filme. Dialogamos com imagens, imagens com passado mas com futuro incerto. 

 

Imagens que se vão habitando de gente, de vivências, de histórias suspensas... 

 

Imagens que caminham para o dueto da maçã e do ovo que, por sua vez, sugere a elevação do amor. 

 

Amor... Imagem entre o tempo que se arrasta rodopiando sobre si próprio e o dueto que, de tanto querer voar, se amarra ao chão. 

 

Amor que se torna possessivo, exigente, dependente, desesperado, exaltado, sufocante; mas também patético, cómico, trágico-cómico, lúdico, frívolo, virtuoso, sinuoso, cabotino e esvaziado. 

Amor que derrapa nos fantasmas da negritude da alma e da hiperatividade como forma de exorcizar a ilusão ou a desilusão!...

 

Sem narrativas fechadas, sem dramaturgia esmagadora, sem a obrigação de tudo perceber, enveredamos por um mundo de sentidos que são os da vida na sua configuração mais simples de se afirmar. Em simultâneo e, indelevelmente, convocamos Magritte a acompanhar-nos.

 

Paulo Ribeiro 

carreira do espetáculo

2016

ANTESTREIA: 22 de abril, Teatro Viriato, Viseu

 

 

revista de imprensa