ESTRUTURA FINANCIADA POR

logo_rodape_dgartes_branco.png

COMPANHIA RESIDENTE

logo_rodape_teatro_viriato_branco.png

PARCEIRO

CONTACTOS

Teatro Viriato 

Largo Mouzinho de Albuquerque 
3500-160 VISEU, PORTUGAL


T. 232 480 110 

M. geral@pauloribeiro.com

SIGA-NOS

  • mail_send_branco_new
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle
  • Vimeo - White Circle
antena2.png

BOX 2.0

INSTALAÇÃO HOLOGRÁFICA

2018

Conceito António Cabrita

Autores do projeto António Cabrita e São Castro

Elemento cénico Fernando Ribeiro

Produção Companhia Paulo Ribeiro 

Coprodução Teatro Municipal Sá de Miranda

(Viana do Castelo, Portugal)

Fotografia António Cabrita

Nota de criação

Em 2013, António Cabrita e São Castro criaram BOX, um projeto que nasceu da vontade de levar o “corpo dançante” para um local fora do contexto comum de apre-sentação do espetáculo e/ou da performance, de quebrar a barreira espaço/tempo. Como o título indica, trata-se de uma instalação holográfica, composta por várias caixas, sem cabos ou fios visíveis, que tem como objectivo debruçar-se sobre a pluralidade de linguagens/identidades coreográficas de diferentes coreógrafos/bailarinos, que são perpetuadas através de um holograma. Uma representação do real que capta e reconstrói um corpo em movimento com volume e existência que, embora virtual, é um corpo em movimento que está visível e que parece existir dentro de um espaço físico real vazio. Um corpo que dança e que permanece, por tempo indefinido, ao olhar de quem o observa.

Em 2018, com a produção da Companhia Paulo Ribeiro e a coprodução Teatro Municipal Sá de Miranda, Viana do Castelo, os autores pretendem ampliar este projeto artístico através do convite a outros coreógrafos nacionais ou internacionais, propondo uma pequena viagem pela história da Dança. Clara Andermatt, Paulo Ribeiro e Rui Horta são os coreógrafos que vão integrar a Box 2.0 – Instalação Holográfica. Dentro das caixas holográficas será possível visualizar a identidade física e artística, a linguagem coreográfica e o pensamento que reúne toda uma pesquisa coreográfica reflectida no movimento do corpo e os seus vários planos de significação. A mesma expressão artística, a Dança, desdobrada em várias manifestações, numa multidisciplinaridade artística que cruza a dança, a tecnologia e as artes plásticas. 

carreira do espetáculo

2018

ESTREIA: 28 ABR a 31 MAI - Teatro Municipal Sá de Miranda

Viana do Castelo, Portugal

revista de imprensa

24.04.2018
CORREIO DA MANHÃ NORTE

Da identidade artística e a linguagem coreográfica de Paulo Ribeiro, Rui Horta e Clara Andermatt podem ser vistas, a partir de sábado, em Viana do Castelo, numa instalação holográfica: Três caixas terão hologramas do tamanho da palma da mão (...)